Luzes de Navegação

 

As luzes de navegação possuem como função evitar qualquer tipo de colisão. Desta forma, utiliza-se um regulamento internacional (RIPEAM) referente a navios de grande porte.

 

Ø      Definições (Regra 21)

 

De acordo com as especificações da regra mencionada, serão inseridas a seguintes luzes com as especificações a seguir.

 

 

 

 

 

 

 

Ø      Visibilidade das Luzes (Regra 22)

 

Para embarcações com comprimento superior a 50 m, a regra 22 define que as seguintes luzes devem ser visíveis em distâncias mínimas.

 

§         Luz de Mastro, 6 milhas;

§         Luz de Bordos, 3 milhas;

§         Luz de Alcançado, 3 milhas;

§         Luz de Reboque, 3 milhas;

§         Luz Circular, 3 milhas;

 

Ø      Embarcação de Propulsão Mecânica em Movimento (Regra 23)

 

     Um navio de propulsão mecânica a navegar deve mostrar:

 

§         Luzes de bordos;

§         Uma luz de alcançado.

§         Uma segunda luz de mastro, à ré e mais alta que a de vante;

§         Uma luz de mastro a vante.

 

 

Ø      Reboque e Empurra (Regra 24)

 

         Não se aplica.

 

Ø      Embarcações de Vela em Movimento e Embarcações a Remo (Regra 25)

 

         Não se aplica.

 

Ø      Embarcações de Pesca (Regra 26)

 

         Não se aplica.

 

Ø      Embarcações sem Governo ou Capacidade de Manobra Restrita (Regra 27)

 

         Embarcações sem governo devem exibir:

 

§         Duas luzes circulares encarnadas dispostas em linha vertical, onde melhor possam ser vistas;

§         Duas esferas ou marcas semelhantes dispostas em linha vertical, onde melhor possam ser vistas;

§         Quando com seguimento, além das luzes prescritas neste parágrafo, luzes de bordos e uma luz de alcançado.

 

         Uma embarcação com capacidade de manobra restrita deve exibir:

 

§         Três luzes circulares dispostas em linha vertical, onde melhor possam ser vistas. As luzes superior e inferior deverão ser encarnadas e a do meio branca;

§         Três marcas dispostas em linha vertical, onde melhor possam ser vistas, senda as superior e inferior esferas e a do meio dois cones unidos pelas bases;

§         Quando com seguimento, além das luzes em 1, luzes de mastro, luzes de bordos e uma luz de alcançado;

§         Quando fundeada, além das luzes de 1 e 2, luzes ou marcas prescritas na regra 30.

 

 

Ø      Embarcações Restritas Devido ao Seu Calado (Regra 28)

 

         Uma embarcação restrita devido ao seu calado pode, além das luzes prescritas para embarcações de propulsão mecânica na regra 23, exibir três luzes circulares encarnadas dispostas em linha vertical, ou uma marca constituída por um cilindro, onde melhor possam ser vistas.

 

        

Ø      Embarcações Fundeadas ou Encalhadas (Regra 30)

 

         (a) Uma embarcação fundeada deve exibir:

 

§         Na parte de vante, uma luz circular branca ou uma esfera;

§         Na/no próximo da popa e a um nível mais baixo que a luz requerida pelo subparágrafo (I), uma luz circular branca.

 

 

         (b) Não se aplica.

 

         (c) Uma embarcação fundeada pode ainda utilizar todas as luzes de fainas, ou equivalentes, disponíveis para iluminar seus conveses.

 

         (d) Uma embarcação encalhada deve exibir as luzes prescritas no parágrafo (a) ou     (b) desta regra e, adicionalmente, onde melhor possam ser vistas:

 

 

§         Duas luzes circulares encarnadas dispostas em linha vertical;

§         Três esferas dispostas em linha vertical.

 

         (e) Não se aplica.

 

         (f) Não se aplica.

 

Ø      Hidroaviões (Regra 31)

 

         Não se aplica.

 

Ø      Posicionamento das Luzes (Anexo I)

 

         Tendo definido quais as luzes necessárias à segurança da embarcação, faz-se necessário definir o posicionamento e detalhes técnicos de luzes.

 

Ø      Posicionamento e Espaçamento Vertical das Luzes

 

Em uma embarcação de comprimento superior a 20 metros, as luzes de mastros devem ser posicionadas como se segue.

§         A luz de mastro de vante deve ser posicionada a uma altura acima do casco não inferior à boca do navio, não sendo necessário, entretanto, que esta luz seja posicionada a uma altura acima do casco superior a 12 m;

 

§         Quando houver duas luzes de mastro, a de ré deve estar posicionada a uma altura pelo menos 4,5 m verticalmente mais alta que a de vante;

 

§         A separação vertical das luzes de mastro deve ser tal que, em todas as condições de compasso, a luz de ré seja vista sobre e separada da luz de vante a uma distância de 1000 metros d aproa, quando vistas do nível do mar;

 

§         As luzes de bordos devem ser posicionadas a uma altura acima do casco não superior a três quartos da altura da luz de mastro de vante. Não devem ser posicionadas tão baixo que possam sofrer interferência das luzes de convés.

 

§         O espaçamento entre 3 luzes posicionadas verticalmente deve ser:

 

§         O espaçamento não deve ser inferior a 2 metros;

 

§         Quando usando duas luzes de fundeio, a de vante, prescrita na regra 30 (a) (1), deve ser posicionada pelo menos 4,5 metros acima da de ré. A luz de fundeio de vante deve ser posicionada a uma altura acima do casco não inferior a 6 metros.

 

Ø      Posicionamento e Espaçamento Horizontal das Luzes

 

         A distancia horizontal entre as luzes de mastro não deve ser inferior a metade do comprimento da embarcação, mas não necessita ser superior a 100 metros. A luz de mastro de vante não deve ser posicionada a uma distância da roda de proa superior a um quarto do comprimento da embarcação.

 

Ø      Resumo das Luzes